Usando hashtags eficientes para seu Instagram

Encher o post de hastags, botar aquelas tags que tem muitos perfis usando… será  realmente que isso funciona? Tô falando de funcionar mesmo, não de você crescer seus seguidores e ter metade de mohameds te seguindo. Isso gera negócio, agrega na relevância da sua marca e o conteúdo? Parece que a gente tá falando de algo bem banal, né? Mas as hashtags são um kip que leva pessoas a conhecer seu perfil, seja você empresa, mídia ou um influenciador. 

Eu costumo dizer que a criatividade é algo prático, às vezes barato, mas sempre! Sempre é funcional. Não adianta você criar um sofá cama que ocupa muito espaço, já que a ideia é que ele traga duas funções em uma só ocupando pouco espaço. 

Da mesma forma é a utilização das hashtags. Como disse, ela é um kip, um gate que leva pessoas novas para seu perfil e essas pessoas precisam se tornar uma base sólida para seu conteúdo, pois é para eles que você cria ou paga uma agência para criar. Elas precisam ser funcionais. Já peguei muitos casos de perfis de empresas com milhares de seguidores, mas com engajamento baixo. Aí você me diz “mas Dan, a prova social é importante. Quando a pessoa vê lá, 200k de seguidores, pensa logo. Pô! Esse cara é barril”. Concordo, até certo ponto e vou te dar um exemplo. Apesar da escala ser menor, impressiona muito mais quando você vai em um perfil com menos seguidores, mas com um engajamento massa nas postagens. Eu tenho um perfil de um projeto pessoal que possui ainda tímidos 6 mil seguidores. Mas todos reais. O único mohamad que têm, eu conheço e vende Kebab “um prato típico Árabe” no meu bairro kkk. A gente consegue engajamento de 20, 30 e até 50% em uma postagem. Coisa de 50 comentários, marcações, pessoas que salvam o post 500 até 1000 curtidas e 20 a 30 novos seguidores orgânicos e as hashtags tem participação fundamental neste processo, até porque é a principal forma orgânica de sair da minha bolha de seguidores. Então, vamos ao prático: 

Faça recortes de perfil: Os recortes são basicamente uma reflexão. Será que meu público usaria ou pesquisaria está hashtag? Quem mais poderia pesquisar essa hashtag? Ai você fala – Mas Dan, essa hastag só tem 20k publicações. A que eu uso tem 1 milhão e serve em todo o Brasil -. Caso você seja o Whindersson Nunes ou uma empresa gigante que vende para todo o Brasil, faz realmente sentido em usar essa de 1 milhão. Mas se estamos falando de um negócio local, regional, é muito mais fácil você ser o principal conteúdo da hastag entre 20k do que em 1 milhão, concorda? E as pessoas que usam essa determinada hashtag tem uma probabilidade muito maior de consumir seus serviços/produtos. Vamos a um exemplo: se você é um restaurante e usa a hastag fastfood e tem um restaurante em Brotas, bairro de Salvador. É mais fácil você ser encontrado por um Americano em Nova York do que por um morador de Brotas, certo? Agora se você usar #brotassalvador você irá alcançar 6k de pessoas que podem conhecer seu restaurante, porque estão aí perto ou frequentam o local.

Crie uma persona do seu público: Faça bem detalhadinho. E isso você pode conseguir observando as pessoas que frequentam seu estabelecimento. Se possível, faça uma pesquisa levando em consideração o que elas mais consomem no seu estabelecimento e tente cruzar isso com dados como faixa etária e sexo. Isso vai te ajudar com o recorte aí em cima, porque você pode encontrar pontos nos hábitos de consumo delas que vão te ajudar a escolher hastags eficientes. 

Limite suas hastags: Tente usar no máximo seis. Uma das últimas atualizações do Instagram criou um recorte de hastags. Isso não quer dizer que você não pode usar, mas quer dizer que apenas as primeiras têm relevância. As outras morrem. Mas independente disso, – até porque o Instagram muda o tempo todo -, usar poucas tags te ajuda a mensurar seus resultados na tentativa erro. Ou seja, você consegue ir sabendo quais funcionam melhor para seu negócio. 

Então é isso pessoal, espero que tenham gostado do nosso conteúdo e caso tenham alguma dúvida, não exite em nos perguntar. Abraço e até a próxima!