O que atrapalha a criatividade?

O barulho do ventilador ou ar condicionado, a cadeira que não está regulada ou a zoada que insiste em aumentar. Tudo fica mais difícil quando precisamos de um “momento de paz” para a criatividade fluir, não é mesmo? Pensando em te ajudar, conversamos com a psicóloga, Daniela Nascimento, sobre o que atrapalha no momento em que precisamos usar nossas melhores ideias e como deixar o ambiente agradável para isso.

  1. O que atrapalha (ou bloqueia) uma pessoa de ser criativa?

R: Não existe algo específico e unânime que atrapalhe a todas as pessoas de igual maneira a serem criativas. Até mesmo pelo fato de que o comportamento criativo pode ocorrer simplesmente, ele não se trata de uma característica de personalidade inata. Hoje posso estar criativo, amanhã talvez não. Os fatores que influenciam na criatividade são individuais e, nesse sentido, cada pessoa pode apresentar um fator diferente. Por exemplo, para algumas pessoas um ambiente agitado atrapalha a capacidade criativa, para outras pessoas não. Outros sentem sua criatividade abalada por conta de preocupações pessoais ou conflitos em outras áreas da vida, e assim vai.

  1. De que forma a pessoa pode se organizar em casa ou no trabalho para ter um ambiente de tranquilidade que contribua com isso?

R: Aqui, faço uma provocação: o que é um ambiente tranquilo? Será que o conceito de tranquilidade para uma pessoa pode ser diferente do que é para outra? Um ambiente tranquilo pode ser uma sala vazia, ou um quiosque na beira da praia, ou o quarto de casa com a TV ligada, ou um escritório com colegas trabalhando ao lado com o barulho dos teclados alheios… Enfim, definitivamente, quero dizer que não há regras para o ambiente ideal para o uso da criatividade. O que o profissional deve ter é autoconhecimento, uma vez que quando ele sabe das suas características, habilidades e facilidades de adaptação, ele passa a ter o controle e tem o poder de escolher e organizar que tipo de ambiente ele rende melhor, produz com mais qualidade ou tem melhores ideias. Para quem trabalha em casa, o desafio é conseguir separar o trabalho com tarefas domésticas ou outros atrativos, como por exemplo, TV, redes sociais, animais de estimação, conversas com familiares, a cama ou um sofá aconchegante. Nesse caso, a disciplina vai fazer grande diferença, identificar o que tira o foco é imprescindível, estar atento a si mesmo é um grande exercício diário, definir horários pode ser interessante e ter um “canto de trabalho”, onde a pessoa possa definir que “quando estou aqui, estou trabalhando”. Isso, facilita para a própria pessoa e ajuda na comunicação com as outras pessoas que, porventura, residam no mesmo local.

  1. Existem alternativas que podem contribuir para que uma pessoa seja criativa? Por exemplo, músicas, livros ou filmes?

R: Olha, isso é muito relativo. Eu diria que não, e que sim. Não, porque a criatividade pode surgir ao “acaso”, ou seja, sem programação, o conteúdo que está sendo demandado pode aparecer em um momento que não necessariamente, a pessoa pode estar buscando-o. E sim, porque todas essas coisas, livros, músicas, filmes, podem servir como estímulo para um insight, principalmente, se tem a ver com o tema em questão. Ali, naquele momento pode aparecer uma fala, uma imagem, uma palavra, um som, que lembre algo já vivido ou que traga uma idéia de algo relacionado e que a pessoa não havia feito tal relação. A chave da questão é que, o comportamento criativo surge, muitas vezes por similaridade entre estímulos, entre características parecidas entre o que se está vendo (no caso de um filme, por exemplo) e o que se precisa criar. Aqui, a gente percebe que a “bagagem” que carregamos tem muito valor; não precisam ser experiências fantásticas, mas, a abertura para a vida, para o conhecimento e para a vivência pode ser um grande trunfo nessa hora.

  1. Para quem trabalha com criatividade (publicitários, designers e escritores), o ambiente de trabalho influi como bloqueio?

R: Tudo vai depender se as características e habilidades desse profissional está em consonância com esse ambiente. O contexto sempre tem influência sobre os indivíduos que são atores da cena. Quando falo em contexto, leia-se: relações entre pessoas, regras, clima, etc. Logo, se o ambiente de trabalho se apresenta de modo a gerar adoecimento e a pessoa não consegue uma regulação emocional para lidar com determinadas contingências, sim, esse contexto pode atrapalhar sensivelmente as respostas criativas. No entanto, sem dúvida, um ambiente estimulante ajuda muito. Mas, o que vem a ser um ambiente estimulante? Pode ser em companhias de pessoas (colegas ou líderes) que requeiram tal comportamento criativo, uma equipe que troca conhecimentos e experiências, um clima de colaboração, pode ser aquele ambiente onde há carências de alguns recursos e que provoque as pessoas a pensarem em soluções, estratégias e conteúdos inovadores, ou ainda um ambiente no qual a pessoa receba elogios e incentivos como resultado da sua criação.

  1. Há métodos que podem ajudar uma pessoa a ser criativa?

R: Bom, tem algumas coisas a se falar sobre isso. Primeiro, não há um método que é aplicado hoje e daqui a dois dias ou uma semana a pessoa se torna criativa. A psicologia pode ajudar, porém é uma ciência humana e não exata, ou seja, há que se percorrer um caminho que não acontece do dia para a noite. Segundo, a criatividade, geralmente, está mais comumente presente em indivíduos que tiveram essa estimulação e aprendizagem na infância e adolescência. Isso, porque indivíduos que são estimulados a pensar soluções para problemas, que são instigados a responder perguntas, que tem tempo livre para elaborar soluções e são respeitados e bem recebidos nas suas criações, tendem a emitir o comportamento criativo em variadas situações do dia a dia. Essas considerações são importantes, mas tem alguns aspectos (não métodos) que facilitam o processo criativo: um ambiente sem muitas regras estabelecidas, pois, quando existe muita prescrição do que se pode ou não fazer, isso atrapalha a criatividade; o próprio resultado do trabalho traz satisfação ao profissional, produz sentimentos de autoconfiança. Isso é importante saber, haja visto que o que aumenta a motivação para a produtividade é o fazer, ou seja, quanto mais se produz coisas novas, mais se tem vontade de produzir; ter um tempo livre, para o ócio são boas práticas que favorecem saúde emocional ao profissional criativo; por fim, ter autonomia, abertura para a experiência e persistência são características importantes.